TCC 2015

TCC 2015

terça-feira, 9 de junho de 2015

Chegou a tradução em português do livro de David Burns, um best-seller com mais de 4 milhões de exemplares vendidos!

Acabou de sair do forno! Leia, compreenda e aprenda com David Burns mais sobre o combate eficaz à depressão; um livro tradicional e contemporâneo que com muita criatividade vai ajudar aos que se sentem deprimidos ou que convivam com pessoas que estejam neste estado no momento. Tive o prazer de poder colaborar na apresentação desta obra que muito acrescentou para minha atuação clínica no dia-a-dia e para meu maior entendimento do grande benefício que tem todos aqueles que se envolvem com a Terapia Cognitiva Comportamental. Agradeço a Maíra, Coordenadora deste projeto e diretora da Edipro. Confiram e compartilhem.

Atenção queridos amigos interessados em comprar o livro Antidepressão de David Burns; ele já está a venda nas lojas de Bauru:  Jalovi e Emporio Cultural.
Quem preferir também pode comprar direto com a editora em São Paulo mandando e-mail para pedidos@edipro.com.br.
Em alguns dias também estarão nas grandes redes – Saraiva, Leitura, Cultura, Argumento, Travessa e sites como submarino, americanas, etc. Aproveitem esta oportunidade de aprender uma forma simples para prevenir e ou combater a depressão. Indicado também para as ansiedades, fobias e irritações; além de se aprimorar nos enfrentamentos das dificuldades do dia a dia. Um grande abraço. Arnaldo Vicente.

sábado, 11 de abril de 2015

Você que não é psicólogo clínico ou psiquiatra, gostaria de poder participar do nosso curso para leigos?

Curso: Aprenda a identificar e lidar com as suas distorções cognitivas e resolva (ou previna) os seus problemas emocional, físico e comportamental.
OBS: muitas pessoas leigas tem me perguntado se poderiam participar de nossos cursos, esta seria uma boa oportunidade.
Caso se interesse, ligue para (14) 3214-3343 e deixe seu nome na lista de interessados, com Vânia. Ou envie seu email para arnaldo@ctccbauru.com.br.
************************************************** 
***************************************              



Distorções Cognitivas - Arnaldo Vicente, 2015.
01- Tudo ou nada - você vê uma situação em apenas duas categorias sem meio termo; e acaba se vendo como uma pessoa perfeita ou fracassada.
02- Catastrofização – você prevê o futuro negativamente sem considerar outros resultados possíveis.
03- Supergeneralização – você vê uma situação negativa isolada como se fosse uma série de situações negativas. 
04- Argumentação emocional - você pensa que algo deve ser verdade porque você ¨sente¨, mesmo desconsiderando evidências contrárias.
05- Leitura mental - você pensa que sabe o que estão pensando de você.
06- Personalização - você acredita que é responsável pelos fatos negativos externos.
07- Cobranças, ¨eu devo, você deve¨ - você tem uma idéia exata estabelecida de como se deve agir e superestima quão ruim é que essas expectativas não sejam preenchidas.
08- Visão em túnel – você vê apenas os aspectos negativos da situação.
09- Filtro mental - você presta atenção indevida a um detalhe negativo e desconsidera o quadro geral.
10- Desconsiderando o positivo – você crê que as experiências, atos ou qualidades positivos não contam.
11- Rotulando – sem observar que as evidências possam ser mais razoavelmente conduzidas a uma conclusão menos desastrosa.
12- Magnificação/ minimização – você magnífica o negativo e/ou minimiza o positivo e pensa que é incapaz de realizar seus objetivos.
13- Euforização - você magnífica o positivo e/ou minimiza o negativo; e pensa que é capaz de fazer tudo dar sempre certo 100%.. Otimismo irrealista.
14- Auto-referência – você crê que o mundo funciona exatamente como você acredita.
As distorções enumeradas de 1 a 12 nesta lista foram concentradas a partir da leitura de vários livros de TCC, principalmente dos doutores Beck e Judith Beck; os de números 11 e 12 foram acrescentados por mim, de acordo com o que tenho encontrado nos meus atendimentos 1999.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

2015 um ano de crise ou oportunidade para reinventar-se?

Iniciamos 2015 com situações difíceis e incertas, não apenas financeiras,mas na segurança e na saúde também; em meio a uma transição política necessária nos vemos envolvidos e afetados por consequências indesejáveis. Quando começávamos a imaginar que entraríamos numa fase de gradual prosperidade temos que refletir e nos atualizar de todo o nosso potencial para avaliar e implementar a melhor estratégia possível. A hora não é de lamentação e mesmice, mas de criatividade e esperança; mas como se reinventar diante da crise? 
A capacidade do ser humano de inventar pode ser ilustrada pela roda, pelas pirâmides, pela eletricidade, pelas naves espaciais, pelo calendário, e principalmente pelos números, são dez algarismos apenas; mas reinventados formam quantos números? 1 e 1 é onze, mas quantos uns eu posso colocar lado a lado? Que número é este 1111111111111111? E se cair na rotina você pode fazer combinações com 10111213141516171819, qual é o limite? 
De quantas formas é possível se locomover ou resolver inúmeras questões?
A capacidade de inventar e reinventar é própria do ser humano; é uma característica dinâmica e surpreendente e ocorre independente de sua vontade e vigília; sim o Homem inventa e reinventa mesmo dormindo. Inventamos e reinventamos por associações cognitivas que consideram e combinam tudo que percebemos consciente ou inconscientemente. Muito se fala, mas pouco se comprova quando falamos sobre o quanto utilizamos o nosso potencial mental e cerebral; portanto quando falamos de inventar ou reinventar o céu é o limite, ou poderia ser! Sim, poderia, mas nem sempre é assim.

Nossas percepções sobre o Eu, o Mundo e o Futuro podem formar crenças que nos amarram com a mesma força que uma frágil corda mantém preso os elefantes em pequenas estacas; eles são presos desde pequenos por cordas realmente mais fortes que eles e por mais que queiram sair pelo mundo inventando ou reinventando isto é comprovadamente impossível. Eles debatem-se vigorosamente, esforçando-se até sua última força e então desistem e passam a acreditar que serão permanentemente mais fracos que aquela corda e estaca. Eles crescem e tornam-se mais fortes a ponto de transportarem pessoas e pesadas cargas; mas ao voltarem para a cordinha reagem com a mesma apatia e conformismo. 

O Homem também pode se comportar como os elefantes e ser preso pelas crenças decorrentes de experiências vivenciadas em qualquer fase de sua vida; repetindo-se dia-a-dia sem perceber que as adversidades são desafios que transformam seu Eu, o Mundo e o Futuro. Desafios com riscos compatíveis com seus recursos internos (tudo que faz parte de sua pessoa) e externos (tudo que faz parte do mundo). Ou seja, passam a acreditar que são mais frágeis do que realmente são, maximizam as ameaças e minimizam ou desconsideram seus recursos, suas forças; a fragilidade pode ser um fato, mas também pode ser uma crença.
Fatos e Crenças
No livro O Novo Cérebro, o Dr. Nélson Spritzer, editora L&PM, diz que fatos são como as coisas são e crenças são o que pensamos sobre os fatos. O que nos limita na vida, ou nos torna pessoas de sucesso, são nossas crenças sobre os fatos e não os fatos em si: os fatos são neutros. Não são bons nem ruins. O modo como cremos sobre eles faz toda a diferença.
Os elefantes são seres irracionais incapazes de perceberem e questionarem as suas crenças; ou seja, se não superam as diversidades por várias vezes continuadamente desenvolverão a crença irracional de fragilidade sempre que se depararem com a cordinha na estaca: “Coisas ruins acontecem e nada posso fazer.
Coisas ruins acontecem e nada podemos fazer?

As conclusões automáticas, distorcidas e absolutas sobre a vida são crenças irracionais com grande crédito. São e pronto! E agimos como os elefantes.

O psicólogo americano Robert L. Leahy afirma, em seu livro Preocupações excessivas, da Artmed, que 85% das coisas sobre as quais os preocupados se preocupam tendem a ter um resultado positivo (ou seja elas não acontecem). 
E desses 15% que dão resultado negativo 79% dos casos as pessoas dizem que lidaram melhor do que esperavam. 

As conclusões racionais, demonstradas por Leahy, são baseadas em evidências e consideram uma situação específica que vivemos num determinado momento nos permitindo, de propósito, analisar nossos recursos de modo atualizado utilizando todas as habilidades em resolução de problemas desenvolvidas durante a nossa vida.

Essas considerações confirmam que o Homem se inventa e pode se reinventar, inúmeras vezes, capacitando-se para enfrentar e superar com simplicidade e honestidade as adversidades; afinal elas são desafios e oportunidades de evoluir para uma vida mais saudável, mais plena.

Por Arnaldo Vicente - www.ctccbauru.com.br